[google6450332ca0b2b225.html

domingo, julho 29, 2012

lendo....Miguel Torga


Pitões das Júnias, Barroso, 8 de Setembro de 1983 - Só vistas, a aspereza deste ermo e a pobreza do mosteiro desmantelado. Mas canta dia e noite, a correr encostado às fundações do velho cenóbio beneditino, um ribeiro lustral. E o asceta e o poeta que se degladiam em mim, de há muitos peregrinos desta solidão, mais uma vez se conciliam no mesmo impulso purificador, a invejar os monges felizes que aqui humildemente penitenciaram o corpo rebelde e pacificaram a alma atormentada. O corpo a magoar-se contrito no cilício quotidiano da realidade e a alma a ouvir de antemão, enlevada, a música da eternidade.

MIGUEL TORGA, in "Diário XIV"

1 comentário:

  1. TUka fiz uma ligação para o teu blogue nao te incomodas, pois nao?

    ResponderEliminar