[google6450332ca0b2b225.html

quinta-feira, outubro 31, 2013

"Moonlight" (versão moderna)

encontrada intacta após 300 anos


mumi1

Após 300 anos uma múmia chinesa foi encontrada recentemente por especialistas que ficaram totalmente chocados com a preservação do corpo.
A descoberta foi realizada na cidade Xiangcheng, província de Henan. O corpo ficou completamente preto após ser retirado do caixão. Ela foi encontrada no mesmo local de dois corpos que foram reduzidos a esqueleto.
Os arqueólogos relataram que a múmia era um oficial de alto escalão da Dinastia Qing, e que seu rosto estava intacto, mas depois o mau cheiro ficou completamente insuportável.

fonte net

terça-feira, outubro 29, 2013

o misterioso caso das crianças verdes de Woolpit

Antiga lenda inglesa do século 12 relata a aparição de duas crianças de pele verde que diziam vir de um mundo subterrâneo
No século 12, no vilarejo de Woolpit em Suffolk, na Inglaterra, duas crianças de aparência verde foram encontradas na saída de um dos fossos da região por moradores que faziam a colheita de suas plantações.
As crianças, um garoto e uma menina, não falavam uma palavra em inglês e se comunicavam com uma linguagem desconhecida pelos cidadãos de Woolpit. A lenda conta que os dois foram levados para a casa de um morador, Richard de Calne, que se responsabilizou por cuidar deles.
1tedioo
Por vários dias, as crianças recusaram todos os tipos de comida. Apenas quando feijões foram oferecidos, o rapaz e a garota tiveram apetite. Depois de um tempo, eles perderam a coloração verde de suas peles, mas o menino acabou adoecendo e morrendo logo após seu batizado.
Pequenos seres verdes de um mundo subterrâneo
A menina sobreviveu e cresceu e, eventualmente, aprendeu a falar inglês. Ela explicou aos seus guardiões que ela e seu irmão vieram de um mundo sem luz do sol, com pouca luminosidade, e que não sabia dizer ao certo como eles foram parar na região de Woolpit.
Diferentes leituras tentam explicar o mistério sobre essas crianças. Há quem acredite que elas vieram mesmo de um mundo subterrâneo ou talvez até de um universo paralelo. Outra teoria que acompanha essa lenda é a de que eles eram alienígenas e que poderiam ter aterrissado na Terra por engano.
A teoria mais aceita hoje em dia, porém, é que as crianças escapavam da perseguição do rei Henrique II contra os invasores flamengos (belgas), e que fugiram do vilarejo de Fornham St. Martin quando este foi destruído pelo exercito britânico em um ataque que também matou seus pais.
A história por trás da lenda
O historiador Paul Harris explica, em sua análise publicada em 1998 sobre o evento, que as crianças se esconderam nas florestas da região e que desenvolveram anemia por terem ficado muito tempo sem alimentação. Isso poderia explicar a coloração verde de suas peles quando elas foram encontradas posteriormente em Woolpit.
O fato de a menina não ter lembranças claras de sua vida pregressa pode ser resultado dos eventos traumáticos vivenciados, assim como a privação alimentar pode ter afetado sua capacidade de raciocínio e memória durante o período de fuga entre florestas e cavernas.
A garota recebeu o nome de Agnes quando foi batizada, e há indícios de que tenha se casado com um oficial britânico chamado Richard Barre. A lenda das crianças de Woolpit, mesmo com o caráter folclórico e misterioso, foi registrada na época por dois historiadores: William of Newburgh e Ralph of Coggeshall.
É possível imaginar como a aparição de duas crianças, de coloração verde e falando uma língua estranha, poderia gerar mistério em um vilarejo no século 12, e ser considerado até mesmo um caso de seres de outro planeta.
Apesar de todas as explicações mundanas possíveis ao evento, a verdade completa por trás dessa história talvez nunca seja esclarecida, e talvez seja melhor a sustentação do mistério à desmistificação da lenda de Woolpit.
fonte   www.tedio.net

domingo, outubro 20, 2013

É preciso mudar!

     
 “O homem absurdo é aquele que nunca muda”     Georges Clemenceau 



Sete a quatro, resultado do “play-on” de 29 de Setembro de 2013 na Região Autónoma da Madeira.
Passado o “choque da expectativa” foi a terceira vez em que as lágrimas quentes e espontâneas, sem qualquer motivo agendado de tristeza ou de alegria, me saltaram: no 25 de Abril de 1974, no dia em que o Chiado em Lisboa ardeu e neste abençoado Domingo de mudança!
Os actos e as obras julgam-se uns aos outros.
O dreno posto ao PSD-Madeira há-de purgar os abismos nunca revelados que iludiam a realidade na obscura existência de políticos geniais, únicos e importantes, descartáveis afinal.
Não deixo de desejar os maiores êxitos a todos os eleitos em prol da região, com especial ênfase ao meu concelho, o Porto Moniz, onde sempre cultivei uma mudança esperançosa por mais de três décadas.
Começa a definhar o conceito de “Madeira Nova” e ainda bem; que a Madeira volte a ser só e apenas “a pérola do Atlântico”, tão conhecida e amada.
Entretanto, no país, o governo usa Portugal na lapela. Dos novos ciclos redentores apregoados, o crivo da austeridade aperta e esmaga, destrói dignidades, alimenta desigualdades e revoltas e a decrepitude futura é desesperante.
 Se a liberdade desocupada de Abril começa a correr o risco da angústia, incorre também no grito da insurreição de um povo amargurado, por isso brando, mas que já foi capaz de demonstrar a sua força na conquista dos seus direitos, sem as brutalidades históricas.
A geração jovem mais bem formada – o futuro – deixa o país sem pensar voltar; outros, já estabelecidos, vêm-nos partir com a mágoa de quem perde filhos.      
Os homens públicos e os governantes, perderam a credibilidade, a honestidade, fazendo honras aos méritos imbecis de que são formados.
O Estado confisca, usurpa o contribuinte, espolia retroactivamente quem descontou o que lhe foi exigido para pagar a sua reforma. Contudo, mantém a mão sob os grandes poderes da economia, mesmo aqueles que constituíram as suas sedes fora de Portugal.
O orçamento para 2014 não espelha futuro para a sociedade portuguesa e é uma segunda edição dos anteriores.
Para onde iremos e até quando?
Abismo atrai abismo… 

Maria Teresa Góis

in:Diário Notícias, Madeira, 20 Outubro 2013

 http://www.dnoticias.pt/impressa/diario/opiniao/411984-e-preciso-mudar
                                                        

domingo, outubro 06, 2013

sábado, outubro 05, 2013

Como reconhecer o autor de um quadro só olhando a pintura

1) Se o plano de fundo do quadro for escuro e todo mundo está com cara de tortura, é do Ticiano
beldade-ao-espelho
2) Se todo mundo tem bunda grande é do Rubens
01
3) Se todos os homens têm olhos de vaca e parecem donas-de-casa, é do Caravaggio
02
4) Se tem um monte de gente no quadro, mas elas parecem normais, é do Pieter Bruegel
03
5) Se tiver um monte de gente no quadro, mas o quadro está cheio de merda louca, é do Bosch
bosch
6) Se todo mundo parece um mendigo iluminado por um poste, é Rembrandt
r
7) Se no quadro tem cupidos ou ovelhas, ou se você considerar que cupidos ou ovelhas poderiam estar no quadro, é Boucher
Untitledsdsd-4
8) Se todos forem bonitos, estiverem semi-nus e empilhados ou apertados, é Michelangelo
creationofadam-michelangelo1
9) Se Tem Bailarina, É Degas
538px-Edgar_Germain_Hilaire_Degas_021
10) Se tudo é pontudo, tiver contraste e os homens tiverem barba em um rosto magro, é El Greco
El Greco
11) Se todo mundo parece o Vladimir Putin, o presidente da Rússia, é Van Eyck
The Arnolfini Portrait (1434 - Jan van Eyck)
12) Se no quadro tem frutas, paisagens ou um monte de pessoas nuas de costas, é do Cezanne
sadsadsda7
13)  Se no quadro tem dançarinas de Cabarés, é do Toulouse Lautrec
Henri_de_Toulouse-Lautrec_005
14) Se parecer que alguém esfregou a tela com um gato, estando a tinta ainda fresca, é Van Gogh.  (via Cleber Cunha)

quinta-feira, outubro 03, 2013

o último a chegar à colecção...

Oferta amiga das suas autoras, Joana Brazão/Xana Rodrigues, cujos trabalhos podem encontrar em:

http://joanadartesanato.blogspot.pt