[google6450332ca0b2b225.html

domingo, outubro 31, 2010

como é determinada a hora legal portuguesa?

Cada um regula-se habitualmente pelo seu próprio relógio, mas a hora legal é determinante em todos os processos que envolvam transferências bancárias internacionais, depósitos e também na bolsa de valores. Tudo é orquestrado por cinco relógios atómicos protegidos num bunker do Observatório Astronómico de Lisboa.
A hora legal ganhou "maior importância com a facturação electrónica porque tudo passou tudo a ser registado ao segundo", desde transferências, depósitos, concursos, bolsa, compras ou vendas, explicou à agência Lusa Rui Agostinho, a quem cabe garantir o pleno funcionamento do sistema electrónico do Observatório Astronómico.
Por isso, "a hora tem de ser preservada com muita segurança", já que um segundo pode significar "prejuízos de milhões de euros". Rui Agostinho exemplifica: no decorrer de um negócio internacional, perderam-se "muitos milhões" apenas porque a proposta foi entregue segundos depois da 17h00.
Neste caso, o tempo é mesmo dinheiro. Assim, dezenas de bancos, seguradoras, comerciantes, advogados e outros sectores de actividade económica regem-se pela hora legal, que é disponibilizada pelo Observatório Astronómico de Lisboa via Internet.
Os cinco relógios atómicos estão ligados electronicamente, pelo que é "praticamente impossível alguém adiantar ou atrasar a hora", além de que "não se consegue entrar na sala", garante Rui Agostinho. Contudo, os portugueses devem atrasar a hora nos seus relógios já este domingo, entrando oficialmente no horário de inverno.(fonte net)

"Agora Mesmo"


Está gente a morrer agora mesmo em qualquer lado
Está gente a morrer e nós também

Está gente a despedir-se sem saber que para
Sempre
Este som já passou Este gesto também
Ninguém se banha duas vezes no mesmo instante
Tu próprio te despedes de ti próprio
Não és o mesmo que escreveu o verso atrás
Já estás diferente neste verso e vais com ele

Os amantes agarram-se desesperadamente
Eis como se beijam e mordem e por vezes choram
Mais do que ninguém eles sabem que estão a
                               [despedir-se

A Terra gira e nós também A Terra morre e nós
Também
Não é possível parar o turbilhão
Há um ciclone invisível em cada instante
Os pássaros voam sobre a própria despedida
As folhas vão-se e nós
Também
Não é vento É movimento fluir do tempo amor e morte
Agora mesmo e para todo o sempre
  Ámen

Manuel Alegre, in "Chegar Aqui"

provérbios de Novembro

  • Cava fundo em Novembro, para plantares em Janeiro.

  • De Todos-os-Santos ao Advento, nem muita chuva nem muito vento.

  • De Todos-os-Santos ao Natal ou bem chover ou bem nevar, ande o frio onde andar, pelo Natal há-de chegar.

  • Depois dos Santos, neve nos campos.

  • Dos Santos ao Advento, nem muita chuva nem muito vento.

  • Dos Santos ao Natal, ou bom chover ou bom nevar.

  • Dos Santos ao Natal, Inverno geral.

  • Dos Santos ao Natal, Inverno Natural.

  • Em Novembro, chuva, frio e sol e deixa o resto.

  • Entre os Santos e o Natal é Inverno natural.

  • No dia de S. Martinho vai à adega e prova o vinho.

  • No S. Florêncio, o Inverno vai-se ou volta.

  • Novembro à porta, geada na horta.

  • Novembro é quente no começo e frio no fim.

  • Novembro, ou bem chover ou bem nevar.

  • Novembro pelos Santos, neve nos campos.

  • Novembro põe tudo a secar, pode o Sol não tornar.

  • O Verão de S. Martinho, a vareja de S. Simão e a cheia de Santos, são três coisas que nunca faltam nem faltarão.

  • O Verão de S. Martinho começa no Todos-os-Santos.

  • Pelo Santo André, neve no pé.

  • Pelos Santos, neve nos campos.

  • Por Santo André o Sete-Estelo posto é.

  • Por Todos-os-Santos neve nos campos.

  • São Mamede te levede, São Vicente te acrescente.

  • Se em Novembro ouvires trovão, o ano que vem será bom.

  • Se o Inverno não erra caminho, tê-lo-ei pelo S. Martinho.

Notas

Todos-os-Santos – 1 de Novembro

Advento - inicia-se no quarto Domingo antes do Natal e termina a 25 de Dezembro

São Florêncio – 7 de Novembro

São Martinho – 11 de Novembro

Santo André – 20 de Novembro

sábado, outubro 30, 2010

abraço ao Brasil

É já amanhã que todo o Brasil irá eleger o seu Presidente.
Extraordinário como Lula da Silva, de operário sindicalista, considerado semi-analfabeto, levou o Brasil a sair dos índices de pobreza, superou a batalha da educação e tecnologia, sendo considerado neste ano de 2010, salvo erro em Março, o homem mais influente do Mundo!
A todos vós, brasileiros, que diariamente me visitam e vivem no quotidiano a vossa realidade, lutem pela continuação da evolução, da educação, da industrialização do país, mas também defendam o vosso património sagrado: a Natureza.
Não se deixem levar pelas conversas do Papa que diz defender a vida, mas omite a  defesa da dignidade dos que são oprimidos pela igreja e ignora culpados.
Votem, como só vocês sabem, por vós, pelo vosso País, pela vossa Liberdade: é esta a única arma que temos para agir e influenciar aquilo em que acreditamos.
Abraço,
tukakubana

Prudência é o Saber Acomodar


Espaçosa esfera é a do entendimento para discorrer por todos os objectos, e contudo tem seus intervalos em que acha comodidades o corpo: não descansa este no silêncio da noite, sem que aquele se esconda no mais interior da alma. Ainda o discorrer demasiado, dando voltas ao entendimento, é arriscar a que dê o entendimento uma volta; e como é arriscado o discorrer sem termo, não é o menos perigoso o luzir sem pausa. Seus intervalos hão-de ter os luzimentos grandes, e nem por isso deixarão de ser lúcidos intervalos, quando o saber acomodar é para melhor luzir; por isso o Sol é o melhor dos planetas, porque sabe acomodar suas luzes à dureza do diamante, como à brandura da cera; e os mesmos raios que infundem a dureza no bronze, se acomodam aos melindres de uma flor. Prudência é o saber acomodar, para melhor luzir e viver.
Brilhar com demasiado luzimento nas acções, mais estorva os aplausos do que os granjeia; porque, na opinião de Séneca, não sabem os homens aplaudir senão aquilo que só podem imitar. Com ser a luz do Sol o mais agradável objecto à vista, contudo, se é grande o excesso de seus ardores, o mesmo que é agrado da vista, chega a ser perturbação dos olhos.
 
Padre António Vieira, in "As Sete Propriedades da Alma"

àcerca da Esperança


“Se você me ama, não chore por mim
Se você conhecesse o mistério insondável do céu onde me encontro...
Se você pudesse ver e sentir o que eu sinto e vejo nesses horizontes sem fim e nesta luz que tudo alcança e penetra, você jamais choraria por mim.
Eu estou agora absorvido pelo encanto de Deus, pelas suas expressões de infinita beleza.
Em confronto com esta nova vida, as coisas do passado são pequenas e insignificantes.
Conservo todo o meu afecto por você, com aquela ternura que sempre nos devotamos.
O amor que lhe dediquei permanecerá na eternidade, íntegra e forte...
Pense em mim em plena alegria da vida, pois nesta maravilhosa morada não existe a morte.
Se você verdadeiramente me ama, não chore por mim.
Eu estou em paz.”

Santo Agostinho, séc. IV

sexta-feira, outubro 29, 2010

os 4 pilares da economia portuguesa

castanhas

Os vendedores, nas ruas, já trocaram os carros refrigerados pelos assadores e fogareiros, sinal de que o calor já lá vai e por esta altura, para aquecer, o melhor é mesmo um cartucho de castanhas quentinhas. Mas há inúmeras maneiras de comer este fruto que teve, durante séculos, um papel mais importante do que a batata na alimentação europeia. Agora que estamos em pleno Outono, época de excelência para este fruto seco, é altura de aproveitar.
Oriundas da Ásia menor, Balcãs e Cáucaso, as castanhas sempre tiveram grande protagonismo na gastronomia europeia, particularmente nos países do sul, onde foi introduzida há mais de três mil anos. Cozinhada nos mosteiros e abadias por monges e freiras que as usavam nas suas receitas, chega a Portugal por altura da Revolução Francesa.

Muito popular entre todos, a castanha mostrou-se o substituto por excelência do pão quando este escasseava no Inverno. Eram consumidas cozidas, assadas ou em farinha, servindo de produto básico da alimentação em especial para os Beirões e Transmontanos que as consumiam em vez da batata, conforme refere a obra "Castanea - Uma Dádiva dos Deuses", de Jorge Lage. 
As castanhas que comemos surgem de uma semente que cresce no interior de um ouriço, o fruto do castanheiro. Embora seja uma semente como as nozes, tem muito menos gordura e muito mais amido, um hidrato de carbono (cerca do dobro das batatas). 
São também ricas em vitaminas C e B6 e uma boa fonte potássio. Têm assim um alto valor nutritivo e energético.mas também explosivo. Como têm bastante água, quando aquecidas essa água passa a vapor. Durante a confecção a pressão do vapor vai aumentado e "empurrando" a casca - se não levar o típico golpe, para aliviar essa pressão, pode explodir.
Em diversas regiões, as castanhas são motivo para o típico Magusto, celebrado em novembro, onde se faz uma fogueira para assar as castanhas e acompanhá-las com jeropiga, água-pé ou vinho novo, a castanha faz ainda parte da cultura popular com ditos, lengalengas, canções, quadras e contos, sobretudo no Nordeste Transmontano. 
Por isso, este outono não se preocupe com as calorias e aproveite para saborear umas boas castanhas. O Boas Notícias deixa-lhe aqui duas receitas originais para experimentar as castanhas de uma maneira diferente.
Pudim de Castanhas
Ingredientes 6/8 pessoas, 307 calorias dose:
1 L de leite (pode ser de soja)
250 gr de puré de castanhas
250 gr de açúcar amarelo
4 folhas de gelatina incolor
mistura de frutos secos (para decoração)

Preparação:
Misture numa panela o leite , o puré de castanhas, o açúcar e as folhas de gelatina (depois de demolhadas em água fria e espremidas). Leve ao lume e deixe ferver durante 3 minutos.

Retire do calor e verta numa forma de chaminé com 23 cm de diâmetros. Deixe arrefecer e leve ao frigorifico até solidificar.

Para desenformar, mergulhe a forma em àgua quente. Decore com os frutos secos ou migalhas de castanha cozida.
fonte:Boas Notícias.pt

como eu vejo a Ilha

Amanhecer em fogo, prenúncio de chuva.
29 Outubro 2010, às 07h50

o dedo de Deus

já tinha publicado este vídeo mas, voltei a me reencontrar com ele e decidi publica-lo. Espero gostem...

quinta-feira, outubro 28, 2010

Orçamento do Estado - a batalha

fonte:WEHAVEKAOSINTHEGARDEN
 

um "doce" presente


Esta pequena maravilha cuja foto vossos olhos contemplam, chegou-me hoje de Silves.
Os figos do Ivo, as amêndoas do Ivo, não sei se a erva-doce do Ivo, o engenho e a arte do Ivo, sob a supervisão do amigo Zé.
Oh Amigo, depois compadre e sempre Amigo: mais do que o doce do teu manjar, a sempre delicadeza perfeccionista (para não te chamar miudinho...) que sempre te conheci.
Para que os adeptos do "tukakubana" babem, mas para que sintam e sobre tudo, como é gratificante este sentimento caloroso de Amizade. Beijinho "deh".
Tuka
um pitéu difícil de ser aceite em Portugal  

como eu vejo a Ilha

Tempo

"Tudo cura o tempo, tudo faz esquecer, tudo gasta, tudo digere, tudo acaba. Atreve-se o tempo a colunas de mármore, quanto mais a corações de cera! São as afeições como as vidas, que não há mais certo sinal de haverem de durar pouco, que terem durado muito. São como as linhas que partem do centro para a circunferência, que, quanto mais continuadas, tanto menos unidas. Por isso os antigos sabiamente pintaram o amor menino, porque não há amor tão robusto, que chegue a ser velho. De todos os instrumentos com que o armou a natureza o desarma o tempo. Afrouxa-lhe o arco, com que já não tira, embota-lhe as setas, com que já não fere, abre-lhe os olhos, com que vê o que não via, e faz-lhe crescer as asas, com que voa e foge. A razão natural de toda esta diferença, é porque o tempo tira a novidade às coisas, descobre-lhes os defeitos, enfastia-lhes o gosto, e basta que sejam usadas para não serem as mesmas. Gasta-se o ferro com o uso, quanto mais o amor? O mesmo amar é causa de não amar, e o ter amado muito, de amar menos."

Pe. António Vieira 

quarta-feira, outubro 27, 2010

Precisa-se de matéria prima para construir um País

Eduardo Prado Coelho, antes de falecer (25/08/2007), teve a lucidez de nos deixar esta reflexão, sobre nós todos .  Façam uma leitura atenta. 
(fonte:Publico)

A crença geral anterior era de que Santana Lopes não servia, bem como Cavaco, Durão e Guterres.
Agora dizemos que Sócrates não serve.
E o que vier depois de Sócrates também não servirá para nada.
Por isso começo a suspeitar que o problema não está no trapalhão
que foi Santana Lopes ou na farsa que é o Sócrates.
O problema está em nós. Nós como povo.
Nós como matéria prima de um país.
Porque pertenço a um país onde a ESPERTEZA é a moeda
sempre valorizada, tanto ou mais do que o euro.
Um país onde ficar rico da noite para o dia é uma virtude
mais apreciada do que formar uma família baseada em valores e respeito aos demais.
Pertenço a um país onde, lamentavelmente, os jornais jamais
poderão ser vendidos como em outros países, isto é, pondo umas caixas nos passeios onde se paga por um só jornal E SE TIRA UM SÓ JORNAL,
DEIXANDO-SE OS DEMAIS ONDE ESTÃO.

Pertenço ao país onde as EMPRESAS PRIVADAS são fornecedoras particulares
dos seus empregados pouco honestos, que levam para casa, como se fosse correcto, folhas de papel, lápis, canetas, clips e tudo o que possa ser útil para os trabalhos de escola dos filhos... e para eles mesmos.
Pertenço a um país onde as pessoas se sentem espertas porque
conseguiram comprar um descodificador falso da TV Cabo, onde se fraude a declaração de IRS para não pagar ou pagar menos impostos.
Pertenço a um país:
-Onde a falta de pontualidade é um hábito;
-Onde os directores das empresas não valorizam o capital humano.
-Onde há pouco interesse pela ecologia, onde as pessoas atiram lixo nas ruas e, depois,
reclamam do governo por não limpar os esgotos.
-Onde pessoas se queixam que a luz e a água são serviços caros.
-Onde não existe a cultura pela leitura (onde os nossos jovens dizem que
é 'muito chato ter que ler') e não há consciência nem memória política, histórica nem económica.
-Onde os nossos políticos trabalham dois dias por semana para aprovar projectos e leis
que só servem para caçar os pobres, arreliar a classe média e beneficiar alguns.
Pertenço a um país onde as cartas de condução e as declarações médicas
podem ser 'compradas', sem se fazer qualquer exame.
-Um país onde uma pessoa de idade avançada, ou uma mulher com uma criança nos braços,
ou um inválido, fica em pé no autocarro, enquanto a pessoa que está sentada finge que dorme para não lhe dar o lugar.
-Um país no qual a prioridade de passagem é para o carro
e não para o peão.
-Um país onde fazemos muitas coisas erradas,
mas estamos sempre a criticar os nossos governantes.
Quanto mais analiso os defeitos de Santana Lopes e de Sócrates,
melhor me sinto como pessoa, apesar de que ainda ontem corrompi um guarda de trânsito para não ser multado.
Quanto mais digo o quanto o Cavaco é culpado, melhor sou eu como português,
apesar de que ainda hoje pela manhã explorei um cliente que confiava em mim, o que me ajudou a pagar algumas dívidas.
Não. Não. Não. Já basta.
Como 'matéria prima' de um país, temos muitas coisas boas,
mas falta muito para sermos os homens e as mulheres que o nosso país precisa.
Esses defeitos, essa 'CHICO-ESPERTERTICE PORTUGUESA' congénita,
essa desonestidade em pequena escala, que depois cresce e evolui até se converter em casos escandalosos na política, essa falta de qualidade humana, mais do que Santana, Guterres, Cavaco ou Sócrates, é que é real e honestamente má, porque todos eles são portugueses como nós,  ELEITOS POR NÓS. Nascidos aqui, não noutra parte...
Fico triste.
Porque, ainda que Sócrates se fosse embora hoje,
o próximo que o suceder terá que continuar a trabalhar com a mesma matéria prima defeituosa que, como povo, somos nós mesmos.
E não poderá fazer nada...
Não tenho nenhuma garantia de que alguém possa fazer melhor,
mas enquanto alguém não sinalizar um caminho destinado a erradicar primeiro os vícios que temos como povo, ninguém servirá.
Nem serviu Santana, nem serviu Guterres, não serviu Cavaco,
nem serve Sócrates e nem servirá o que vier.
Qual é a alternativa ?
Precisamos de mais um ditador, para que nos faça cumprir a lei
com a força e por meio do terror ?
Aqui faz falta outra coisa. E enquanto essa 'outra coisa' não comece
a surgir de baixo para cima, ou de cima para baixo, ou do centro para os lados, ou como queiram, seguiremos igualmente condenados, igualmente estancados... igualmente abusados !
É muito bom ser português. Mas quando essa portugalidade autóctone começa
a ser um empecilho às nossas possibilidades de desenvolvimento como Nação, então tudo muda...
Não esperemos acender uma vela a todos os santos,
a ver se nos mandam um messias.
Nós temos que mudar. Um novo governante com os mesmos portugueses
nada poderá fazer.
Está muito claro... Somos nós que temos que mudar.
Sim, creio que isto encaixa muito bem em tudo o que anda a acontecer-nos:
Desculpamos a mediocridade de programas de televisão nefastos e,
francamente, somos tolerantes com o fracasso.
É a indústria da desculpa e da estupidez.
Agora, depois desta mensagem, francamente, decidi procurar o responsável,
não para o castigar, mas para lhe exigir (sim, exigir) que melhore o seu comportamento e que não se faça de mouco, de desentendido.
Sim, decidi procurar o responsável e ESTOU SEGURO DE QUE O ENCONTRAREI
QUANDO ME OLHAR NO ESPELHO.
AÍ ESTÁ. NÃO PRECISO PROCURÁ-LO NOUTRO LADO.E você, o que pensa ?... MEDITE !

segunda-feira, outubro 25, 2010

citação do dia

 




"A monarquia fez Portugal e criou um Império;
 ... a República acabou com o Império e está em vias de acabar com Portugal."

Carlos Azeredo (General)

poema de agradecimento à corja (deste país)


Obrigado, excelências.
Obrigado por nos destruírem o sonho e a oportunidade
de vivermos felizes e em paz.
Obrigado
pelo exemplo que se esforçam em nos dar
de como é possível viver sem vergonha, sem respeito e sem
dignidade.
Obrigado por nos roubarem. Por não nos perguntarem nada.
Por não nos darem explicações.
Obrigado por se orgulharem de nos tirar
as coisas por que lutámos e às quais temos direito.
Obrigado por nos tirarem até o sono. E a tranquilidade. E a alegria.
Obrigado pelo cinzentismo, pela depressão, pelo desespero.
Obrigado pela vossa mediocridade.
E obrigado por aquilo que podem e não querem fazer.
Obrigado por tudo o que não sabem e fingem saber.
Obrigado por transformarem o nosso coração numa sala de espera.
Obrigado por fazerem de cada um dos nossos dias
um dia menos interessante que o anterior.
Obrigado por nos exigirem mais do que podemos dar.
Obrigado por nos darem em troca quase nada.
Obrigado por não disfarçarem a cobiça, a corrupção, a indignidade.
Pelo chocante imerecimento da vossa comodidade
e da vossa felicidade adquirida a qualquer preço.
E pelo vosso vergonhoso descaramento.
Obrigado por nos ensinarem tudo o que nunca deveremos querer,
o que nunca deveremos fazer, o que nunca deveremos aceitar.
Obrigado por serem o que são.
Obrigado por serem como são.
Para que não sejamos também assim.
E para que possamos reconhecer facilmente
quem temos de rejeitar.



Autor: Joaquim Pessoa

domingo, outubro 24, 2010

Homem moderno já produzia pão há 30 mil anos na Europa

fonte:PUBLICO
Os ingredientes eram só dois: farinha e água. Há 30 mil anos não havia sal nem fermento na culinária. Por isso, o pão em forma de bolacha era crocante e sem sabor. Uma equipa de investigadores encontrou vestígios em vários sítios arqueológicos na Europa que mostram que este alimento tinha um lugar importante na dieta dos caçadores-recoletores muito antes da existência de agricultura.
“É como um pão achatado, como uma panqueca feita só de água e de farinha”, disse citada pela Reuters Laura Longo, da Universidade de Siena, em Itália, uma dos dez autores do artigo com a descoberta, publicado esta semana na revista Proceedings of the National Academy of Sciences. “Faz-se uma espécie de pita e cozinha-se numa pedra quente”, disse. O resultado é um alimento “crocante como uma bolacha, mas sem grande sabor”.
Os investigadores encontraram grãos de amido em pedras com 30 mil anos que serviriam para moer vegetais, na Itália, na Rússia e na República Checa. Antes, tinham sido encontradas pedras de moagem com 20 mil anos em Israel.
As pedras tinham restos de pequenos grãos de vegetais que os cientistas identificaram como sendo de raízes de fetos, e de uma erva chamada de Brachypodium e grãos do género da Thyfa, que são tão nutritivos como os cereais utilizados hoje. Só durante o neolítico, há cerca de dez mil anos, é que o homem começou a plantar cereais para a alimentação, iniciando a agricultura. Mas os investigadores defendem que a abundância destas plantas seria suficiente para os alimentos fazerem parte da dieta regular 20 mil anos antes. 
Um factor importante para a descoberta destes grãos, foi o facto de os investigadores não lavarem as pedras encontradas. A lavagem das pedras dificultou durante muito tempo a descoberta de vestígios vegetais da alimentação, o que fez pensar que a dieta destas populações era feita à base de carne.

a 1ª actuação da Marta

Grupo Infantil de violas-Porto Moniz Orientação Prof. Paulo Novo - 23.10.2010
Marta, 5 anos, a 1ª da esquerda (com um mês de aulas)

como eu vejo a Ilha

a decência ...

sábado, outubro 23, 2010

Loiras....para desopilar!

A LOIRA NO ZOOLÓGICO!!!

Ao chegar perto da jaula do Leão, ela viu uma placa:
CUIDADO COM O LEÃO!
Mais à frente, outra jaula, outra placa:
CUIDADO COM O TIGRE!
Mais à frente:
CUIDADO COM O URSO!
Depois chega a uma jaula que está vazia e lê:
CUIDADO: TINTA FRESCA!
Desesperada, a loira corre aos gritos:
- O TINTA FRESCA FUGIU! O TINTA FRESCA FUGIU!!!!

A GARRAFA TÉRMICA
Uma loira entra numa loja e vê uma coisa brilhante.
O que é isso? - pergunta ela.
- Uma garrafa térmica - responde o vendedor.
- E o que ela faz? - pergunta ela.
O vendedor explica:
- Ela mantém frias as coisas frias e quentes as coisas quentes. A loira
compra a garrafa térmica.
No dia seguinte ela a leva para o trabalho. Seu chefe, estranhando esse
objecto brilhante, pergunta
- O que é?
- Uma garrafa térmica - responde ela.
- E o que faz? - pergunta o chefe.
- Mantém quentes as coisas quentes e frias as coisas frias - responde a
loira.
O chefe pergunta:
- E o que tem dentro?
A loira, satisfeita, diz:
- Duas xícaras de café e um suco gelado.

CORTINAS

Uma loira entra numa loja de cortinas e diz para o empregado:
- Por favor, eu queria umas cortinas para o monitor do meu computador!
O empregado, espantado, diz:
- Mas, minha senhora, os monitores não necessitam de cortinas. Diz a
loira,com ar de espertalhona:
- Helloooooooooooooooo?!?!?!?!......... Eu tenho o Windows!!!!!!!

A TORCIDA

A loura estava tentando tirar a tampa da Coca-cola e não conseguia.
- Que inferno!
O dono do bar explicou:
- Você tem que torcer.
E a loura, batendo palmas:
- Vamos Tam-pi-nha! Vamos Tam-pi-nha!

EVA ERA LOURA

Descobriram que Eva era loura.
É que ela, numa bela tarde no paraíso, chegou por trás de Adão, tapou-lhe
os olhos e perguntou:
Adivinha quem é?

DO OUTRO LADO

A loira está no bar. Ela chama o garçom e quando este se aproxima, ela se
levanta e fala baixinho no ouvido dele:
- Onde é o banheiro?
O garçom responde:
- Do outro lado.
A loira aproxima-se do outro ouvido do garçom e diz:
- Onde é o banheiro?

recebido por email

sexta-feira, outubro 22, 2010

como eu vejo a Ilha

19h, Vila do Porto Moniz
20h00, Vila do Porto Moniz

a solidão de um sorriso

«a solidão não é viver
só, a solidão é não
sermos capazes de fazer
companhia a alguém ou
a alguma coisa que está
dentro de nós.»

José Saramago
Sorriso,diz-me aqui o dicionário, é o acto de sorrir. E sorrir é rir sem fazer ruído e executando contracção muscular da boca e dos olhos.
O sorriso, meus amigos, é muito mais do que estas pobres definições, e eu pasmo ao imaginar o autor do dicionário no acto de escrever o seu verbete, assim a frio, como se nunca tivesse sorrido na vida. Por aqui se vê até que ponto o que as pessoas fazem pode diferir do que dizem. Caio em completo devaneio e ponho-me a sonhar um dicionário que desse precisamente, exactamente, o sentido das palavras e transformasse em fio-de-prumo a rede em que, na prática de todos os dias, elas nos envolvem.

Não há dois sorrisos iguais. Temos o sorriso de troça, o sorriso superior e o seu contrário humilde, o de ternura, o de cepticismo, o amargo e o irónico, o sorriso de esperança, o de condescendência, o deslumbrado, o de embaraço, e (por que não?) o de quem morre. E há muitos mais. Mas nenhum deles é o Sorriso.

O Sorriso (este, com maiúsculas) vem sempre de longe. É a manifestação de uma sabedoria profunda, não tem nada que ver com as contracções musculares e não cabe numa definição de dicionário. Principia por um leve mover de rosto, às vezes hesitante, por um frémito interior que nasce nas mais secretas camadas do ser. Se move músculos é porque não tem outra maneira de exprimir-se. Mas não terá? Não conhecemos nós sorrisos que são rápidos clarões, como esse brilho súbito e inexplicável que soltam os peixes nas águas fundas? Quando a luz do sol passa sobre os campos ao sabor do vento e da nuvem, que foi que na terra se moveu? E contudo era um sorriso.

José Saramago

quinta-feira, outubro 21, 2010

21 de Outubro de 2010

será que nem desta vez vai haver culpados? Imagens de hoje de manhã:

mau tempo na costa sul da ilha

foto de Arcanjo Delgado, hoje de manhã
 Queen Elizabeth atracado no porto

como eu vejo a Ilha

alerta meteorológico amarelo - chuva.
07h45

conta-se que...

Numa ocasião, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, saiu para jantar com sua esposa, Michelle, e foram a um restaurante não muito luxuoso, porque queriam fazer algo diferente e sair da rotina. Estando sentados à sua mesa no restaurante, o dono pediu aos guarda-costas para aproximar-se e cumprimentar a primeira dama, e assim o fez.
Quando o dono do restaurante se afastou, Obama perguntou a Michelle: Qual é o interesse deste homem em te cumprimentar?
Michele respondeu: Acontece, que na minha adolescência, este homem foi muito apaixonado por mim durante muito tempo.
Obama disse então: Ah, quer dizer que se você tivesse se casado com ele, hoje você seria dona deste restaurante?
Michelle respondeu: Não, meu querido, se eu tivesse me casado com ele, hoje ele seria o Presidente dos Estados Unidos.


As Mulheres fazem a diferença numa relação!

quarta-feira, outubro 20, 2010

PEC 4 - Janeiro de 2011

em Portugal não se fazem greves....canta-se!

funcionário público....desafinados mas cheios de boa vontade.

citação do dia

 
FELIZ FOI ALI BÁBÁ, QUE NUNCA VIVEU EM PORTUGAL...
POR ISSO, SÓ CONHECEU 40 LADRÕES!

Canção sonolenta

Correm lentos noite e rio
nos atalhos entre o vento
aquecendo a mão do frio
nos retalhos do relento...

A brisa vem-me acalmar
de antigo ressentimento
e o vento me vem cantar
de tanto contentamento.

Na alameda à luz da lua
sob o céu além do tempo
nas poças d’água da rua
entre luzes me contemplo.

Futuro não tem passado
e o presente não tem fim.
Há em mim um outro lado
de um outro lado de mim...

Jaz-me a alma repousada
e uma flor calada em mim
como saudade encostada
no canteiro de um jardim... 

Afonso Estebanez

Descoberta nova espécie de mamífero em Madagáscar

O pequeno carnívoro castanho, que pesa pouco mais de um quilo, foi encontrado nas zonas húmidas que rodeiam o Lago Alaotra, na região Centro da ilha. Ao que se sabe, esse é todo o seu território. Pertence a uma família de carnívoros que só se sabe existir em Madagáscar.
O animal foi avistado pela primeira vez quando nadava num lago por uma equipa de investigadores da Durrell Wildlife Conservation Trust que participava numa campanha de monitorização de lémures, em 2004. Depois de analisar o animal, a equipa suspeitou que esta se tratava de uma espécie nova. No Museu de História Natural de Londres, os investigadores analisaram espécimes de Salanoia concolor e concluíram que aquela era mesmo uma espécie diferente.
“Há já algum tempo que sabíamos que um carnívoro viva junto ao Lago Alaotra. Mas assumimos que era um Salanoia concolor”, contou Fidimalala Bruno Ralainasolo, biólogo da Durrell Wildlife Conservation Trust, um dos primeiros a encontrar o animal. “Mas as diferenças no crânio, dentes e patas mostraram que este animal pertence, claramente, a uma espécie diferente, com adaptações à vida num ambiente aquático”, acrescentou. Apesar de esta ser uma boa notícia, o futuro deste carnívoro pode não ser muito risonho. Na verdade, o seu futuro enquanto espécie é “incerto porque as zonas húmidas do Lago Alaotra estão extremamente ameaçadas pela expansão da agricultura (com pesticidas e fertilizantes), incêndios e plantas e peixes exóticos invasores”, refere Ralainasolo. “Provavelmente é um dos carnívoros mais ameaçados do mundo”, alerta a Conservation International, em comunicado.
O resultado da descoberta – da responsabilidade da Durrell Wildlife Conservation Trust, Museu de História Natural de Londres, Nature Heritage (Jersey) e da Conservation International – foi publicado na revista “Systematics and Biodiversity”. fonte PUBLICO

terça-feira, outubro 19, 2010

LOL.....Afinal Homer Simpson é católico

O jornal do Vaticano declarou que Homer Simpson, pai da família mais conhecida dos Estados Unidos, é católico.
"Poucas pessoas o sabem e ele faz tudo para o esconder, mas é verdade: Homer J. Simpson é católico", escreveu na edição deste fim-de-semana o L'Osservatores Romano, sob a manchete: "Homer e Bart são católicos".   
Em Dezembro passado, o jornal elogiou a famosa série de desenhos animados no seu 20.º aniversário pelo seu pendor filosófico e abordagem irreverente da religião.
Este é o exemplo mais recente do esforço que o jornal do Vaticano tem desenvolvido nos últimos anos para ser mais relevante e segue-se aos louvores feitos ao jovem feiticeiro britânico Harry Potter e aos Beatles. Em 1966, John Lennon afirmou que a banda britânica era mais popular que Jesus.  
O jornal citou uma análise de um padre jesuíta, Francesco Occhetta, sobre a conversão de Homer e do filho Bart, num episódio de 2005, depois de um encontro com o simpático padre Sean, cuja voz pertence ao actor Liam Neeson.
O L'Osservatore afirmou que a análise mostra que as anedotas da série de culto assentam em temas "relacionados com o sentido e a qualidade da vida".
"Os 'The Simpson' continuam a ser um dos poucos programas infantis em que a fé cristã, a religião e Deus são temas recorrentes", acrescentou. "A família reza em conjunto antes das refeições e, à sua maneira, acredita no paraíso".
Mas o produtor da série Al Jean afirmou que o Vaticano pode ter exagerado na sua análise, uma vez que Homer e Bart só pensaram na conversão no episódio de 2005, de acordo com o site Entertainment Tonight.
"Mostrámos claramente que Homer não é católico. Penso que ele não aguentaria deixar de comer carne às sextas-feiras", disse Jean, acrescentando que a família frequenta a Primeira Igreja de Springfield "decididamente Presbiluterana". 
fonte DN, Lisboa

Nota da Redacção - Grandes e ciclópicas são estas preocupações do Vaticano. Salvaram os Beatles do inferno, agora os Simpsons....Em que igreja e por quem, terá sido baptizado? Serei eu católica???

"Resonant Chamber"

muito especial...no dia do aniversário deste blog

o "tukakubana" faz hoje 2 anos...

Foi a partir de um desafio que o criei. Pensei-o para publicar apenas o que escrevia, mas depressa senti que não poderia ser. Para além do pouco que escrevo, há boa poesia, óptimos textos de literatura, de opinião, notícias de ciência, da actualidade, fotos e pensamentos, tudo o que vos tenho dado tentando o melhor.
Das vinte ou trinta visitas diárias de há um ano hoje os meus visitantes são mais, não sei se mais assíduos. Mas gosto saber que há ilustres desconhecidos que aqui passam, aqui ouvem música, aqui deixam opinião e alguns até deixam nos seguidores a sua foto. Pena que não sejam mais pois gosto de vos olhar, de vos "seguir",também.
Tentando trazer ao blog um leque de assuntos culturais, partilho convosco o que acho de essencial, de curioso, de interessante. Por isso a vossa opinião é, para mim, importante: críticas e sugestões, opiniões, são sempre bem vindas.
Espero ter saúde e carolice, q. b., para continuar o "tukakubana".
A todos vós, de coração, MUITO OBRIGADA.

segunda-feira, outubro 18, 2010

como eu vejo a Ilha

os meus araçais

humor antigo

1920

o que chega ao ouvido de um bancário/a

e eu que o diga....


" Bom dia. Quero saber se o meu obstrato já chigou?"
"queria o nibel da conta"
"queria um carneiro de cheques"
"dou o meu abalo ao suscritor"
"Quero dissolver esta conta"
"Desculpe, a partir de que valor é que a conta fica negativa?"
"A sua colega que está na máquina multibanco ficou-me com as notas!"
"A máquina comeu o meu cartão Securitas!"
"O multibanco enganou-se. Posso falar com a sra que está para ali a falar dentro da máquina?"
"Queria fazer umas perguntas sobre aquele cartão "nespresso"
"estou muito nervosa, o meu cartão foi extraviolado..."
"Bom dia. Tou a chegar agora da França e venho aqui para ver se os seus chiffres batem com os meus..."
"Porque é que os cartões agora têm um chispe?"

domingo, outubro 17, 2010

o capacete do justo protesto

Aconteceu na que foi a minha Paróquia em Lisboa.Um templo enorme, muito bonito, rico de património. Ora vejam:

MANIFESTO POBREZA ZERO - O MUNDO QUE QUEREMOS

MANIFESTO

Mais de 900 Organizações Internacionais em estreita coordenação com organizações e movimentos sociais de base em mais de 100 países promovem a maior mobilização de sempre na história da luta contra a pobreza no mundo. A sociedade portuguesa não pode ficar indiferente. Junta-te a nós e faz ouvir a tua voz!
Unindo as nossas vozes manifestamos:
QUE a persistência da pobreza e da desigualdade no mundo de hoje não tem justificação.
Apesar dos esforços realizados durante décadas, a desigualdade entre ricos e pobres continua a aumentar.
Hoje, mais de 3.000 milhões de pessoas carecem de uma vida digna por causa da pobreza.
Fome, SIDA, analfabetismo, discriminação de mulheres e meninas, destruição da natureza, acesso desigual à tecnologia,deslocação maciça de pessoas devido aos conflitos, migrações provocadas pela falta de equidade na distribuição da riqueza a nível internacional… São as diferentes facetas do mesmo problema: a situação de injustiça que afecta a maioria da população mundial.
QUE o desenvolvimento sustentável no planeta está seriamente ameaçado porque um quinto da população mundial consome irresponsavelmente, com a consequente sobre exploração de recursos naturais.
QUE as razões da desigualdade e a pobreza se encontram na forma como organizamos a nossa actividade política e económica. O comércio internacional e a especulação financeira que privilegia as economias mais poderosas, uma dívida externa asfixiante e injusta para muitos países empobrecidos, bem como um sistema de ajuda internacional escasso e descoordenado tornam a actual situação insustentável.
QUE para conseguir a eficácia das políticas de Desenvolvimento Institucional, o Desenvolvimento Humano Sustentável e Bens Públicos Globais é imprescindível implementar uma governação global democrática e participativa.
QUE o crescimento económico espectacular dos últimos anos não contribuiu para garantir os direitos humanos nem para melhorar as condições de vida em todas as regiões do mundo, nem para as pessoas, independentemente da sua condição,género, etnia ou cultura.
QUE lutar contra a pobreza, nas suas diferentes dimensões, significa actuar contra a exclusão das pessoas, a favor das garantias dos seus direitos económicos, sociais e culturais que se traduzem em protecção, trabalho digno, rendimento, saúde e educação, poder, voz, meios de subsistência sustentáveis, em condições de igualdade.
É um compromisso irrenunciável e inadiável: toda a sociedade no seu conjunto é responsável pela sua concretização.

Unindo as nossas vozes queremos
- MAIS AJUDA pública para o desenvolvimento, dando prioridade aos sectores sociais básicos, até alcançar o compromisso dos 0,7% do RNB
- MELHOR AJUDA, desligada de interesses comerciais, orientada para os países mais pobres e coerente com os Objectivos do Milénio.
- MAIS COERÊNCIA nas diferentes políticas dos nossos governos para que todas elas contribuam para a erradicação da pobreza.
- ELIMINAR A DÍVIDA: os países ricos, o Banco Mundial e o FMI devem perdoar a 100% a dívida dos países mais pobres.
- DÍVIDA POR DESENVOLVIMENTO: investir os recursos criados pela extinção da dívida dos países pobres para alcançar os Objectivos do Milénio.
-MUDAR AS NORMAS DO COMÉRCIO internacional que privilegiam os países ricos e os seus negócios e impedem os governos dos países pobres de decidir como lutar contra a pobreza e proteger o meio ambiente.
- ELIMINAR OS SUBSÍDIOS que permitem exportar os produtos dos países ricos abaixo do preço de custo de produção, prejudicando o sustento das comunidades rurais nos países pobres.
- PROTEGER OS SERVIÇOS PÚBLICOS com o fim de assegurar os direitos à alimentação e o acesso à água potável e a medicamentos essenciais.
- FAVORECER O ACESSO À TECNOLOGIA por parte dos países menos desenvolvidos, de acordo com as suas necessidades, para que possam usufruir dos seus benefícios.

www.pobrezazero.org